NEWSLETTER

Email:
Telefone:
 

ENQUETE

(Abril/2017) Qual o seu interesse neste site?

Sou hidroponista, busco mais conhecimento na área

Sou produtor convencional, quero migrar para a Hidroponia

Sou empresário/fornecedor, quero investir no setor

Sou consumidor, quero informações

Outro objetivo? Comente pelo e-mail redacao@revistahidroponia.com.br
















































































POR DENTRO DA ESTUFA


Dicas para cultivo hidropônico de hortaliças

Confira orientações importantes para obter sucesso na produção

22/05/2017


O esquema a seguir, seguro para iniciantes que desejam organizar ou aperfeiçoar um viveiro de hortaliças, foi elaborado pelo professor Dr. Jorge Barcelos, coordenador do Laboratório de Hidroponia (LabHidro) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Confira as dicas:

 

Maternidade

• Tenha uma mesa inclinada (bem inclinada: de 8 a 12%);

• A mesa deve ser subdividida, para evitar que o fluxo se disperse para os lados e algumas espumas não recebam solução;

• É imprescindível que haja telas de plástico sob as espumas (caso contrário, nem tente fazer as mudas);

• A extremidade da mesa deve estar “inserida” no cano coletor;

• Mudas de rúcula não podem ficar mais de 4 ou 5 dias na maternidade;

• Mudas de rúcula devem ir diretamente para a bancada final;

• Mudas de alface não podem ficar mais de 5 ou 6 dias na maternidade (quando apresentam as duas primeiras folhas bem formadas, já devem ir para o berçário. Isto é fundamental);

• É indispensável que as mudas de alface passem pela fase do berçário;

• Tempo de rega: somente 3 minutos em apenas 6 a 8 vezes/dia no verão (não de manhã cedo, nem de tardezinha). Sem rega à noite.

 

Berçário

• A bancada deve ter inclinação entre 6 a 10% (maior inclinação = menos alga);

• Os cavaletes devem estar próximos uns aos outros para evitar o “embarrigamento” dos perfis;

• Os canais devem ser retilíneos, sem embarrigamento, bem inclinados (obedeça rigorosamente esse critério);

• A extremidade dos canais deve estar “inserida” no cano coletor;

• Tenha canais de cultivo do berçário sobrando, pois eles tendem a criar algas (já que a mudinha não consegue sombrear o furo). Como a alga é o inimigo n° 1 da Hidroponia, estes canais de cultivo devem ser retirados para serem lavados. Caso não tenha canais sobrando, na rotina do dia a dia, a operação de retirada das mudas, lavagem dos canais e recolocação das mudas exigirá muito mais tempo;

• As mudas ficam no berçário até terem tamanho mínimo suficiente para se sustentarem no furo do canal de cultivo da bancada final;

• Tempo de rega: alternando entre 5 minutos ligado e 10 minutos desligado. À noite: de 1 a 2 regas.

 

Bancada final

• Bancadas entre 6 a 12 metros de extensão;

• Devem ter de 4 a 8% de declive;

• Não pode ter qualquer “barriga” no canal de cultivo (para não acumular umidade);

• Utilize um timer digital para fazer ciclo de 10 por 10 minutos (um timer pode atender muitas dessas bombinhas pequenas);

• Programar de 3 a 4 regas à noite;

• Vazão em torno de 1L/min/canal de cultivo;

• Final do canal de cultivo deve estar “inserido” no cano coletor;

• Se o cano coletor for transparente (branco), então pinte de cor prata;

• Coloque o reservatório logo abaixo da cabeceira da bancada;

• Use a mesma bombinha que é utilizada para esvaziar máquina de lavar roupa (que é externa à caixa e garante boa vazão) ou uma bombinha de aquário (que fica submersa na caixa);

• Em busca de boa vazão, use tubos de 20mm e joelhos de 45mm;

• Levante o máximo que puder a caixa e, para isto, o cano de retorno (entre o coletor e a caixa) pode ter apenas de 1 a 2% de declive;

• Use tubo injetor (mangueirinha preta) de 4mm de diâmetro interno e sempre duas mangueiras, em vez de uma só (esta segunda pode ser das antigas, porque geralmente tem menor diâmetro interno);

• Faça um furo pequeno e então inserir a mangueirinha diretamente no tubo de alimentação (ou seja, evitar o uso daquela peça com rosquinha, pois ela geralmente causa o entupimento da entrada da solução);

• Com auxílio de um tê, a solução bombeada da caixa deve chegar ao tubo alimentador próximo à parte central (nunca pelas extremidades do tubo alimentador);

• jamais traga mudas diretamente da maternidade, mas sim do berçário (intermediária ou crescimento), onde as raízes já cresceram para os lados naqueles canais de cultivo de menor porte.

 

Solução nas bancadas

• Maternidade: solução IAC, com 50% da força;

• Berçário: solução IAC, com 75% da força;

• Bancada final (pronta para receber as mudas): solução IAC;

• Correções diárias (para a bancada final): solução LabHidro para correção.

 

Cuidados com a rúcula

• Não deixe ela pegar o sol de verão (seria mortal);

• Usar cortina de teto móvel, 50% para manter aberta na primeira ou segunda hora de sol da manhã, na penumbra do final de tarde e nos dias nublados ou chuvosos (tudo isso é fundamental);

• Outro ponto crucial da rúcula é o declive e acúmulo de umidade na raiz. Não há tolerância, pois a raiz escurece imediatamente, sem perdão;

• A raiz é muito sensível e precisa respirar. Por isso, ela também não tolera a presença de algas, que grudam na raiz e dificultam a respiração. Então, quando chega o calor de verão (momento no qual a planta fica estressada em função da elevação da temperatura e quando as algas mais crescem) a raiz tem tudo para escurecer. Portanto a regra é ter bancadas: com declive, sem barriga, sem alga e sem sol de verão.

• Use ferro do tipo bem avermelhado (EDDHMA) para fazer a complementação;

• Use aproximadamente 11% a mais de Sulfato de Magnésio (444g/1.000L);

• Use cerca de 25 a 30% a mais de Ferro;

• Teste a colocação com pitadas de Ferro toda vez que a rúcula amarelar as folhas (o resultado aparece em 1 ou 2 dias). Se não resolveu na primeira, coloque outra pitada (Ex: 4g/1.000L,  6g/1.000L ou 8g/1.000L).

*Fonte: Arquivo Revista Hidroponia



SUGESTÃO DE POSTAGENS